LAVA JATO AJUDA A DESMONTAR MECANISMO DE EXPLORAÇÃO DA SOCIEDADE BRASILEIRA

José Padilha dirige filme sobre a Lava Jato. * Foto – Internet – Monica Imbuzeiro – Agência O Globo

Tese é defendida em texto que o jornalista e cineasta José Padilha, diretor de Tropa de Elite, publicou no Blog do Noblat / O Globo.

O texto de José Padilha foi compartilhado pelo procurador da República, Deltan Dallagnol, da Força Tarefa da Lava-Jato, em seu perfil do Facebook e ganhou vários compartilhamentos voluntários.

É uma análise sobre o “Mecanismo de Exploração da Sociedade Brasileira.”

“A importância da Lava-Jato Vinte e sete enunciados sobre a oportunidade de desmontar o mecanismo de exploração da sociedade brasileira.

1) Na base do sistema político brasileiro, opera um mecanismo de exploração da sociedade por quadrilhas formadas por fornecedores do Estado e grandes partidos políticos. (Em meu último artigo, intitulado Desobediência Civil, descrevi como este mecanismo exploratório opera. Adiante, me refiro a ele apenas como “o mecanismo”.)

2) O mecanismo opera em todas as esferas do setor público: no Legislativo, no Executivo, no governo federal, nos estados e nos municípios.

3) No Executivo, ele opera via superfaturamento de obras e de serviços prestados ao estado e às empresas estatais.

4) No Legislativo, ele opera via a formulação de legislações que dão vantagens indevidas a grupos empresariais dispostos a pagar por elas.

5) O mecanismo existe à revelia da ideologia.

6) O mecanismo viabilizou a eleição de todos os governos brasileiros desde a retomada das eleições diretas, sejam eles de esquerda ou de direita.

7) Foi o mecanismo quem elegeu o PMDB, o DEM, o PSDB e o PT. Foi o mecanismo quem elegeu José Sarney, Fernando Collor de Mello, Itamar Franco, Fernando Henrique Cardoso, Luiz Inácio Lula da Silva, Dilma Rousseff e Michel Temer.

8) No sistema político brasileiro, a ideologia está limitada pelo mecanismo: ela pode balizar políticas públicas, mas somente quando estas políticas não interferem com o funcionamento do mecanismo.

9) O mecanismo opera uma seleção: políticos que não aderem a ele têm poucos recursos para fazer campanhas eleitorais e raramente são eleitos.

10) A seleção operada pelo mecanismo é ética e moral: políticos que têm valores incompatíveis com a corrupção tendem a ser eliminados do sistema político brasileiro pelo mecanismo.

11) O mecanismo impõe uma barreira para a entrada de pessoas inteligentes e honestas na política nacional, posto que as pessoas inteligentes entendem como ele funciona e as pessoas honestas não o aceitam.

12) A maioria dos políticos brasileiros tem baixos padrões morais e éticos. (Não se sabe se isto decorre do mecanismo, ou se o mecanismo decorre disto. Sabe-se, todavia, que na vigência do mecanismo este sempre será o caso.)

13) A administração pública brasileira se constitui a partir de acordos relativos a repartição dos recursos desviados pelo mecanismo.

14) Um político que chega ao poder pode fazer mudanças administrativas no país, mas somente quando estas mudanças não colocam em xeque o funcionamento do mecanismo.

15) Um político honesto que porventura chegue ao poder e tente fazer mudanças administrativas e legais que vão contra o mecanismo terá contra ele a maioria dos membros da sua classe.

16) A eficiência e a transparência estão em contradição com o mecanismo.

17) Resulta daí que na vigência do mecanismo o Estado brasileiro jamais poderá ser eficiente no controle dos gastos públicos.

18) As políticas econômicas e as práticas administrativas que levam ao crescimento econômico sustentável são, portanto, incompatíveis com o mecanismo, que tende a gerar um estado cronicamente deficitário.

19) Embora o mecanismo não possa conviver com um Estado eficiente, ele também não pode deixar o Estado falir. Se o Estado falir o mecanismo morre.

20) A combinação destes dois fatores faz com que a economia brasileira tenha períodos de crescimento baixos, seguidos de crise fiscal, seguidos de ajustes que visam conter os gastos públicos, seguidos de novos períodos de crescimento baixo, seguidos de nova crise fiscal…

21) Como as leis são feitas por congressistas corruptos, e os magistrados das cortes superiores são indicados por políticos eleitos pelo mecanismo, é natural que tanto a lei quanto os magistrados das instâncias superiores tendam a ser lenientes com a corrupção. (Pense no foro privilegiado. Pense no fato de que apesar de mais de 500 parlamentares terem sido investigados pelo STF desde 1998, a primeira condenação só tenha ocorrido em 2010.)

22) A operação Lava-Jato só foi possível por causa de uma conjunção improvável de fatores: um governo extremamente incompetente e fragilizado diante da derrocada econômica que causou, uma bobeada do parlamento que não percebeu que a legislação que operacionalizou a delação premiada era incompatível com o mecanismo, e o fato de que uma investigação potencialmente explosiva caiu nas mãos de uma equipe de investigadores, procuradores e de juízes, rígida, competente e com bastante sorte.

23) Não é certo que a Lava-Jato vai promover o desmonte do mecanismo. As forças politicas e jurídicas contrárias são significativas.

24) O Brasil atual está sendo administrado por um grupo de políticos especializados em operar o mecanismo, e que quer mantê-lo funcionando.

25) O desmonte definitivo do mecanismo é mais importante para o Brasil do que a estabilidade econômica de curto prazo.

26) Sem forte mobilização popular, é improvável que a Lava-Jato promova o desmonte do mecanismo.

27) Se o desmonte do mecanismo não decorrer da Lava-Jato, os políticos vão alterar a lei, e o Brasil terá que conviver com o mecanismo por um longo tempo.”

Ótimas as percepções de José Padilha sobre a realidade brasileira!

Isso é bom para o Brasil!

É por aí!…

Casciano Vidal

PS. Para falar com o autor: cascianovidal@gmail.com

LAVA JATO AJUDA A DESMONTAR MECANISMO DE EXPLORAÇÃO DA SOCIEDADE BRASILEIRA

José Padilha dirige filme sobre a Lava Jato. * Foto – Internet – Monica Imbuzeiro – Agência O Globo

Tese é defendida em texto que o jornalista e cineasta José Padilha, diretor de Tropa de Elite, publicou no Blog do Noblat / O Globo.

O texto de José Padilha foi compartilhado pelo procurador da República, Deltan Dallagnol, da Força Tarefa da Lava-Jato, em seu perfil do Facebook e ganhou vários compartilhamentos voluntários.

É uma análise sobre o “Mecanismo de Exploração da Sociedade Brasileira.”

“A importância da Lava-Jato Vinte e sete enunciados sobre a oportunidade de desmontar o mecanismo de exploração da sociedade brasileira.

1) Na base do sistema político brasileiro, opera um mecanismo de exploração da sociedade por quadrilhas formadas por fornecedores do Estado e grandes partidos políticos. (Em meu último artigo, intitulado Desobediência Civil, descrevi como este mecanismo exploratório opera. Adiante, me refiro a ele apenas como “o mecanismo”.)

2) O mecanismo opera em todas as esferas do setor público: no Legislativo, no Executivo, no governo federal, nos estados e nos municípios.

3) No Executivo, ele opera via superfaturamento de obras e de serviços prestados ao estado e às empresas estatais.

4) No Legislativo, ele opera via a formulação de legislações que dão vantagens indevidas a grupos empresariais dispostos a pagar por elas.

5) O mecanismo existe à revelia da ideologia.

6) O mecanismo viabilizou a eleição de todos os governos brasileiros desde a retomada das eleições diretas, sejam eles de esquerda ou de direita.

7) Foi o mecanismo quem elegeu o PMDB, o DEM, o PSDB e o PT. Foi o mecanismo quem elegeu José Sarney, Fernando Collor de Mello, Itamar Franco, Fernando Henrique Cardoso, Luiz Inácio Lula da Silva, Dilma Rousseff e Michel Temer.

8) No sistema político brasileiro, a ideologia está limitada pelo mecanismo: ela pode balizar políticas públicas, mas somente quando estas políticas não interferem com o funcionamento do mecanismo.

9) O mecanismo opera uma seleção: políticos que não aderem a ele têm poucos recursos para fazer campanhas eleitorais e raramente são eleitos.

10) A seleção operada pelo mecanismo é ética e moral: políticos que têm valores incompatíveis com a corrupção tendem a ser eliminados do sistema político brasileiro pelo mecanismo.

11) O mecanismo impõe uma barreira para a entrada de pessoas inteligentes e honestas na política nacional, posto que as pessoas inteligentes entendem como ele funciona e as pessoas honestas não o aceitam.

12) A maioria dos políticos brasileiros tem baixos padrões morais e éticos. (Não se sabe se isto decorre do mecanismo, ou se o mecanismo decorre disto. Sabe-se, todavia, que na vigência do mecanismo este sempre será o caso.)

13) A administração pública brasileira se constitui a partir de acordos relativos a repartição dos recursos desviados pelo mecanismo.

14) Um político que chega ao poder pode fazer mudanças administrativas no país, mas somente quando estas mudanças não colocam em xeque o funcionamento do mecanismo.

15) Um político honesto que porventura chegue ao poder e tente fazer mudanças administrativas e legais que vão contra o mecanismo terá contra ele a maioria dos membros da sua classe.

16) A eficiência e a transparência estão em contradição com o mecanismo.

17) Resulta daí que na vigência do mecanismo o Estado brasileiro jamais poderá ser eficiente no controle dos gastos públicos.

18) As políticas econômicas e as práticas administrativas que levam ao crescimento econômico sustentável são, portanto, incompatíveis com o mecanismo, que tende a gerar um estado cronicamente deficitário.

19) Embora o mecanismo não possa conviver com um Estado eficiente, ele também não pode deixar o Estado falir. Se o Estado falir o mecanismo morre.

20) A combinação destes dois fatores faz com que a economia brasileira tenha períodos de crescimento baixos, seguidos de crise fiscal, seguidos de ajustes que visam conter os gastos públicos, seguidos de novos períodos de crescimento baixo, seguidos de nova crise fiscal…

21) Como as leis são feitas por congressistas corruptos, e os magistrados das cortes superiores são indicados por políticos eleitos pelo mecanismo, é natural que tanto a lei quanto os magistrados das instâncias superiores tendam a ser lenientes com a corrupção. (Pense no foro privilegiado. Pense no fato de que apesar de mais de 500 parlamentares terem sido investigados pelo STF desde 1998, a primeira condenação só tenha ocorrido em 2010.)

22) A operação Lava-Jato só foi possível por causa de uma conjunção improvável de fatores: um governo extremamente incompetente e fragilizado diante da derrocada econômica que causou, uma bobeada do parlamento que não percebeu que a legislação que operacionalizou a delação premiada era incompatível com o mecanismo, e o fato de que uma investigação potencialmente explosiva caiu nas mãos de uma equipe de investigadores, procuradores e de juízes, rígida, competente e com bastante sorte.

23) Não é certo que a Lava-Jato vai promover o desmonte do mecanismo. As forças politicas e jurídicas contrárias são significativas.

24) O Brasil atual está sendo administrado por um grupo de políticos especializados em operar o mecanismo, e que quer mantê-lo funcionando.

25) O desmonte definitivo do mecanismo é mais importante para o Brasil do que a estabilidade econômica de curto prazo.

26) Sem forte mobilização popular, é improvável que a Lava-Jato promova o desmonte do mecanismo.

27) Se o desmonte do mecanismo não decorrer da Lava-Jato, os políticos vão alterar a lei, e o Brasil terá que conviver com o mecanismo por um longo tempo.”

Ótimas as percepções de José Padilha sobre a realidade brasileira!

Isso é bom para o Brasil!

É por aí!…

Casciano Vidal

PS. Para falar com o autor: cascianovidal@gmail.com

COLUNA É POR AÍ!… JUN 2015 – REVISTA FOCO

EU ACHO!… SE VOCÊ TAMBÉM ACHA, COMPARTILHE!

Eu acho que Lula é desonesto. Acho que ele é ladrão. É a minha opinião. Eu acho!

Acho que o ex-presidente enganou toda a Nação, ao se colocar como um ‘paladino da justiça social e política’ e ter se transformado no maior facilitador de roubo de dinheiro público que a história do Brasil conhece.

Ele permitiu que José Dirceu, Pallocci e vários outros, formassem quadrilhas de ladrões, instalados nos gabinetes políticos oficiais de Brasília, com o objetivo de ‘legalizar’ o desvio e o roubo de dinheiro público no país, em nome da ‘causa’ do partido.

Eu acho Lula um canalha. Ele enganou à todos nós brasileiros, prometendo justiça social, quando na realidade promovia a riqueza dos seus familiares e dos aliados políticos, em detrimento do tesouro da Nação.

Eu acho Lula um bandido. Ele está ‘aparelhando’ o Estado brasileiro, com gente da pior escória, em postos chaves, para permitir a impunidade para os da sua corja, flagrados em crime.

Exemplo disso é a nomeação do Ministro (esse nome já está manjado e ficou manchado nessa era do PT), Dias Toffolli, colocado no STF para defender e proteger os aliados de Lula, flagrados em ações criminosas contra o Estado brasileiro. É o que eu acho.

Eu acho que Lula é um criminoso da mais espúria qualificação, embora ele se julge um deus. Deus? Na minha opinião, só se é um deus do submundo, como os gregos denominaram Ades, o canalha cruel, ladrão, desonesto e sanguinário em sua mitologia.

Nesse contexto, eu acho, repito, ‘eu acho’, que a presidente Dilma é a bruxa má, que Lula colocou no poder pra impor sacrifícios ao povo brasileiro.

É o que ‘eu acho’. Se você também ‘acha’, compartihe!

Mostre ao Brasil quem é este Lula, canalha, desonesto e ladrão. É o que eu acho.

É por aí!…

FIFAGATE TAMBÉM AQUI

É certo que a Comissão de Acompanhamento e Fiscalização da Copa 2014 (CAFCOPA), do TCE – Tribunal de Contas do Estado do RN, anda encontrando indícios de superfaturamento, estimados em R$ 2,65 milhões, nos contratos de consultoria para estruturação, modelagem e desenvolvimento do projeto de Parceria Público-Privada (PPP) da Arena das Dunas. Isso ainda vai dar o que falar.

ROGÉRIO MARINHO FOCADO EM 2016

Deputado federal, Rogério Marinho tem usado e abusado das mídias sociais pra se manter presente da mente do eleitor de Natal, conseguindo uma façanha até então inusitada: Tem angariado muito mais simpatias do que antipatias ao seu projeto político, objetivando uma participação mais efetiva na eleição de Natal.

ROBINSON BRIGA PELA SAÚDE E A SEGURANÇA

Está difícil e o governador Robinson Faria tem várias ‘batatas quentes’ em suas mãos. À saber: Lei de Responsabilidade Fiscal, políticas pra saúde, pra segurança e pra educação. Nó cego, na administração estadual.

PARLAMENTO ESTADUAL EM PAZ

Segue, na maior paz do mundo, inimagimável dias atrás, o trabalho incansável e positivo do presidente Ezequiel Ferreira de Souza, da Assembleia Legislativa. É um político bom, tarimbado e está dando nó na oposição.

IFRN’S DIVIDIDOS

Parecia um casamento eterno, mas as demandas das categorias profissionais dos professores e dos funcionários dos IFRN’S do Rio Grande do Norte, estão a exigir uma nova configuração com sindicatos de professores e de funcionários. Sem mais delongas.

APOIOS AOS INFORMAIS

Estranha o apoio de instituições, entidades e de esferas de governo, aos comerciantes informais de Natal, especialmente no ramo de alimentos e bebidas. É foda!

FRASES

Estamos inaugurando a sede da secretaria de Estado de Políticas Públicas para Mulheres e da secretaria da Juventude.” Do governador Robinson Faria, no seu Twitter.

Participei da solenidade de posse da reitora Ângela Paiva para o segundo mandato à frente da UFRN.” Do governador Robinson Faria, no seu Twitter.

(A) Governo do PT amplia oportunidades de acesso ao ensino profissional e técnico com + 18 unidades do ‪@IFRN_Da assessoria da senadora Fátima Bezerra, no seu Twitter.

O governador ‪@RobinsonFaria já ressaltou que as obras de mobilidade urbana são fundamentais para desobstruir o trânsito da entrada de Natal.” Do presidente da Assembleia Legislativa, deputado Ezequiel Ferreira de Souza, no seu Twitter.

A presidente adota atitudes escapistas como, por exemplo, não tem coragem de dizer à população os impostos que pretende aumentar.Do senador José Agripino, no seu Twitter.

PSDB e Solidariedade estão juntos para fazer o RN crescer.Do deputado Kelps Lima, no seu Twitter.

Que maravilha. Eu vivi para ver Lula, o mau caráter, vaiado na terra e no ar. A vaia no voo BSB-SP e no desembarque é histórica.” Do jornalista Alex Medeiros, no seu Twitter.

Ricardo Teixeira movimentou R$ 464 milhões durante organização da Copa.” Da jornalista Eliana Lima, no seu Twitter.

O tal bordão “padrão FIFA” se repetiu tanto, e foi tão festejado, que foi usado pelos marqueteiros do PT como bandeira, na última campanha eleitoral de Dilma… Era tido pelos pelegos lulo-petistas como sinônimo de qualidade.” Do jornalista Miranda Sá, no seu Twitter.

ME DISSERAM!…

… Que o governador Robinson precisa liberar as polícias militar e civil pra agir com mãos de ferro no combate a criminalidade. Será?…

… Que a crise já está formando filas pra quem precisa requerer o seguro desemprego no RN. Será?…

… Que o apoio aos informais dos alimentos ‘na rua’, pelas entidades que vivem de dinheiro público, se contrapõe a necessidade de impostos pra sua sobrevivência. Será?…

… Que quem estimula e promove a economia dos comerciantes informais, só fatura dos formais, legalizados. E tome camelô nas calçadas. Será?